Reperspetivar o treino em pequenos grupos

Para operadores de ginásio

Reperspetivar o treino em pequenos grupos

De acordo com o «Worldwide Survey of Fitness Trends for 2018» do American College of Sports Medicine (ACSM), publicado na edição de novembro/dezembro do respetivo Health & Fitness Journal®, o treino personalizado em grupo encontra-se no 13.º lugar no top 20 das tendências de fitness para 2018. O treino em pequenos grupos (TPG) ou treino personalizado em grupo foi primeiramente reconhecido pelo ACSM como uma das principais 20 tendências de fitness em 2007. Desde então, o TPG tem conseguido manter-se no top 20 das tendências na pesquisa mundial.

O treino em pequenos grupos, orientado por um instrutor e com foco no treino em grupos de dois a oito utilizadores, é uma tendência consolidada e continua a ser um programa essencial oferecido por clubes de primeira linha, instalações de dimensões médias, centros recreativos, «estúdios boutique», entre outros. O relatório da Club Intel, 2017 International Fitness Industry Trend Report, refere que o treino em pequenos grupos possui uma taxa de adesão acima de 38% e uma taxa de crescimento médio a quatro anos de 8% no setor dos produtos/serviços.

A observância e a exploração das tendências da indústria, assim como das tendências sociais, vão auxiliar os operadores dos clubes e os líderes na indústria de fitness a orientar os respetivos negócios rumo ao crescimento e ao sucesso futuro. É importante reconhecer as tendências como um movimento. As tendências evoluem a partir de uma série de eventos que ganham dinamismo. As tendências desenvolvem-se e alteram-se à medida que emergem, crescem e se consolidam ao longo do tempo.

Como irá o treino em pequenos grupos evoluir para se manter como uma tendência e continuar a proporcionar aquilo que os membros e os entusiastas do exercício procuram? Os operadores e os donos de instalações, centros recreativos e «boutiques» podem olhar para as tendências sociais influentes e para as tendências de negócio em busca de orientação para reperspetivar os seus programas TPG, caso queiram manter-se relevantes e apoiar-se no seu sucesso.

O presente artigo examinará o potencial impacto no treino em pequenos grupos das caraterísticas influentes que orientam o treino pessoal, as aulas de fitness em grupo, os novos mercados emergentes de fitness para população envelhecida e a tecnologia portátil. Irá obter informações acerca das tendências para se inteirar do treino em pequenos grupos, de diferentes modelos de programas e de como manter o seu programa interessante e inovador para o utilizador.

Tendências influentes de fitness — Potencial impacto no treino em pequenos grupos

Temos testemunhado recentemente a criatividade e o engenho dos health clubs e das instalações de fitness que, para se manterem competitivos, aproveitam o melhor daquilo que o «estúdio boutique» potencia. Por conseguinte, é comum os donos e operadores de instalações acompanharem atentamente as tendências da indústria para determinar continuamente o rumo em termos de experiência dos membros, programas de fitness e serviços prestados aos membros.

Os health clubs e as instalações com um programa de treino personalizado em grupo estão excecionalmente bem posicionados para aumentar as suas receitas, beneficiando destas várias tendências no fitness. Será necessário que os donos, os gestores de programas e os treinadores responsáveis por desenvolver, conceber e orientar os treinos em pequenos grupos combinem caraterísticas influentes fundamentais: a distinção personalizada com a experiência comunitária dos «estúdios boutique» e do treino em grupo, a educação física com o treino pessoal e os avançados dados centrados no desempenho com a tecnologia de fitness.

O próximo nível nos programas de treino em pequenos grupos

Os valiosos benefícios do treino em pequenos grupos para os donos de health clubs, profissionais de fitness e utilizadores são amplamente conhecidos. Todos saem verdadeiramente a ganhar. Os utilizadores tiram partido de treinos individualizados e personalizados com treinadores de fitness talentosos e motivados a um preço mais acessível do que o de um treino pessoal. Os profissionais de fitness aumentam efetivamente o seu rendimento pessoal, a sua credibilidade e reputação. Os donos de clubes e instalações melhoram as taxas de retenção e de participação. O artigo 11 Prognostications for the Fitness Industry in 2018 da Club Intel identifica dois movimentos que poderiam influenciar as estratégias para levar o TPG para outro patamar. O primeiro é o fitness social que se baseia num desejo de realizar experiências com amigos. Isto é significativo entre os «millennials» que têm uma mentalidade colaborativa e coletiva e que estão a moldar a forma como os indivíduos querem participar no fitness. O segundo é a mudança de mentalidade dos operadores das instalações, passando de um único foco nas vendas para o propósito de servir os seus membros. A ênfase está em cativar os membros, construir relações e fomentar a lealdade com a intenção de rentabilizar o envolvimento e a lealdade.

Nunca devemos tornar-nos complacentes com os resultados que alcançamos nem acomodarmo-nos à experiência que estamos a proporcionar aos nossos membros. É essencial que estejamos cientes das tendências do mercado a nível local, nacional e global para nos mantermos relevantes, inovadores e competitivos.

Quatro tendências para revigorar um programa de treino em pequenos grupos

1. Tirar partido do poder dos «ginásios boutique
Integre as caraterísticas influentes do «estúdio boutique» para revitalizar a sua experiência de treino em pequenos grupos. Os «ginásios boutique» fazem várias coisas corretamente. Uma delas é o treino centrado no cliente e orientado para os resultados. Os membros do «ginásio boutique» são atendidos de forma excecional. Assegure-se de que o seu programa para pequenos grupos demonstra responsabilidade para com os seus clientes. Conheça os objetivos de fitness do seu cliente. Trabalhe em estreita colaboração com os clientes e garanta que eles sabem que reconhece a importância da contribuição deles para a própria saúde e o fitness.

Os «ginásios boutique» criam uma comunidade — uma tribo. Ao reperspetivar um programa de treino em pequenos grupos, crie um espírito de equipa íntimo. Desenvolva um sentido de apoio e de comunidade entre os participantes. Tenha em consideração aspetos de afinidade: tipos de grupo, idade e atividades de interesse.

Especialize-se nalguns formatos. Alguns formatos de treino populares são específicos de cada desporto, tais como corrida, treino de musculação, ioga, campos de treino e perda de peso. Tenha em consideração quaisquer certificações especiais que os seus instrutores de fitness possam ter na oferta de formatos exclusivos, como, por exemplo, halteres kettlebell, boxe, pilates etc.

2. Adaptar-se a um mercado emergente
Não obstante a atração de conquistar o mercado «millenial», qualquer programa de treino em pequenos grupos desenvolvido para o «futuro a longo prazo» deve incluir um formato focado no mercado da população envelhecida ativa. O relatório de Ray Algar, Health Club Industry Active Ageing Report (Relatório da indústria dos health clubs para a população envelhecida ativa), analisa de forma aprofundada as implicações de uma sociedade globalmente envelhecida e como é que a indústria da saúde e do fitness está a dar resposta a isso. Algar argumenta que está a emergir uma economia de longevidade, a qual oferece às pessoas produtos e serviços para que possam aproveitar a vida por muito mais tempo e que inclui atividades físicas possibilitadas pela tecnologia que transformam as vidas das pessoas mais velhas.

Os «baby boomers» em envelhecimento são o grupo de membros dos health clubs com o crescimento mais rápido e o grupo populacional com maior capacidade financeira. Em 2020, o número de pessoas a nível mundial com mais de 60 anos será superior a mil milhões. O que equivale a uma em cada sete pessoas. Numa escala global, em 2050, a quantidade de adultos com idade igual ou superior a 65 anos irá exceder, pela primeira vez, o número de crianças com idade inferior a 14 anos.

De acordo com o relatório de Algar, não só a esperança média de vida está a aumentar devido aos avanços nos cuidados de saúde e à melhoria das condições de vida, como também o ritmo a que a população está a atingir e a ultrapassar os 65 anos está a acelerar. Poder-se-ia argumentar que, atualmente, um indivíduo com 60 anos é considerado uma pessoa de meia idade, mas, há 100 anos, uma pessoa com 60 anos seria considerada uma pessoa muito idosa. Outra forma de dizê-lo seria talvez, «os 60 são os novos 40».

Tendo em conta estes dois fatores, cada vez mais pessoas esperarão aproveitar uma vida mais longínqua com mais anos de boa saúde. Quaisquer health clubs, instalações ou ginásios que queiram manter-se relevantes e inovadores irão considerar um formato de treino em pequenos grupos para este mercado emergente.

3. Combinar educação de qualidade com motivação altamente interativa para uma nova experiência de TPG

O treino pessoal está cada vez mais focado na experiência educacional. Os treinadores pessoais de fitness ajudam os clientes a entender a fisiologia da sua condição física e qual a melhor forma de manter, de forma independente, uma boa condição física ao longo da vida. Os profissionais de treino pessoal exigem habilidades mais sofisticadas para a identificação dos problemas de qualidade de movimento e postura de um indivíduo, a fim de encaminhá-lo rumo aos seus objetivos a longo prazo.

É nas aulas de fitness em grupo, no extremo oposto do continuum do programa de treino, que os utilizadores se relacionam com indivíduos que têm os mesmos interesses, de modo a obter uma experiência de treino cheia de energia e orientada por um instrutor motivacional. O treino em grupo, embora já exista há muitos anos, entrou pela primeira vez para o top 20 das tendências de fitness do ACSM em 2017, ficando no sexto lugar. Em 2018, o treino em grupo subiu para o segundo lugar, ficando atrás do treino intervalado de alta intensidade. Apesar da incerteza quanto à subida da popularidade, é fácil atribuí-la ao seu forte crescimento em «estúdios boutique», o que revolucionou a experiência de treino em grupo.

Os operadores de instalações e os diretores de fitness em grupo devem tentar, de forma astuta, estabelecer um equilíbrio entre estes dois programas de treino opostos para promover a sua oferta de treino em pequenos grupos aos utilizadores. Considere a hipótese de rever os seus programas de treino em pequenos grupos com vista a combinar as caraterísticas de êxito dos dois tipos de treino: a experiência educacional de alta qualidade do treino pessoal e a natureza divertida, vibrante, altamente interativa e orientada para a comunidade de uma aula de fitness em grupo.

4. Integrar a tecnologia portátil de fitness

Em 2017, a tecnologia portátil ocupava o lugar de destaque no «Worldwide Survey of Fitness Trends» (relatório mundial de tendências de fitness) do ACSM e continua a ser um dos principais elementos de rutura no fitness em grupo, conforme testemunhado pelo alcance global dos ginásios Orangetheory® Fitness. O ciclismo indoor também assumiu a sua quota-parte de responsabilidade com empresas como a Spivi®, a monitorização via Performance IQ e a exibição dos dados de desempenho de um utilizador. Empresas como a MyZone™, a Heart Zones® e a Fitmetrix oferecem soluções completas de tecnologia de fitness em grupo para instalações. Os membros estão cada vez mais habituados a colocar um sensor de frequência cardíaca ou a utilizar um smartwatch para monitorizar a sua intensidade durante o seu treino.

Estudos realizados relativamente à utilização de tecnologia portátil de fitness mostram a correlação entre a utilização de um dispositivo portátil por parte de um utilizador e a valiosa interpretação dos dados de modo a cativar e motivar o utilizador. Num estudo realizado pela Universidade de Indiana, 90% dos participantes afirmaram que, apesar de tanto o seu monitorizador de atividade como o seu treinador terem sido úteis num período de dez semanas de treino, foi a combinação de ambos que os ajudou a manter os seus objetivos ao longo do tempo. Outro estudo realizado pela Universidade de Pittsburgh relativamente à forma como os dispositivos portáteis afetam a perda de peso a longo prazo mostrou que, se for dado um dispositivo ao utilizador e lhe for pedido para alcançar uma quota de exercício, não havia nenhuma diferença percetível entre dois grupos aleatórios de amostra, um ao qual tinham sido dados dispositivos portáteis de fitness e outro ao qual não tinham sido dados.

O que é proeminente acerca destes dois estudos é a importância do treinador de fitness e da educação no que concerne à incorporação de dispositivos portáteis no treino em grupo. Para facilitar a ligação, o treinador de fitness precisa de saber como interpretar a informação acerca de um utilizador, explicar-lhe o que significam os dados e aplicá-los de modo a ajustar o treino do utilizador para que este alcance os resultados que deseja.

Quando os programas de treino em pequenos grupos incorporam tecnologia portátil de fitness e a utilizam em prol dos seus membros, tirando partido da capacidade de interpretar dados e prescrever treinos individualizados, podem melhorar as receitas das instalações, a retenção de membros e fornecer novos níveis na experiência de treino em pequenos grupos.

Estrutura do programa de treino em pequenos grupos

Não há um modelo que seja a forma correta de estruturar o treino em pequenos grupos. Modelos diferentes e alguns formatos diferentes podem funcionar melhor para diferentes grupos de membros, tipos de instalações ou espaços. Conheça os seus membros e perceba a dinâmica do seu espaço. Oferecer aos membros a hipótese de escolher a forma como participam no seu programa pessoal de fitness mantém-nos motivados, promove o exercício e faz com que voltem às instalações.

A estrutura dos programas de treino em pequenos grupos varia consoante o objetivo, o formato e o tipo de treino de fitness. O TPG consiste em duas a quatro pessoas, o que difere do treino em grupo, o qual pode ter entre 5 e 30 pessoas. Os programas de treino em pequenos grupos concentram-se em três áreas gerais: treinos baseados em equipamento, treinos baseados em técnicas ou capacidades ou treinos baseados em resultados.

  • O treino em pequenos grupos com base em equipamento atrai os utilizadores que preferem um determinado estilo de treino ou tipo de equipamento, como, por exemplo, os halteres kettlebell ou os dispositivos de treino em suspensão.
  • O treino em pequenos grupos com base em técnicas ou capacidades permite uma abordagem direcionada para os indivíduos que se estão a preparar para uma atividade ou um desporto, tal como uma maratona, um campeonato de CrossFit® ou um triatlo.
  • O treino em pequenos grupos com base em resultados é para os clientes que procuram um resultado físico específico ou uma alteração do programa, sendo normalmente a perda de peso o objetivo principal.

O treino personalizado em grupo é frequentemente modelado em torno de uma estrutura progressiva de treinos durante um determinado período de tempo, normalmente 8–10 semanas, ou com um foco sazonal. 85% da maioria dos ginásios, das instalações e dos clubes de primeira linha dedica os respetivos programas de treino personalizado em grupo a um modelo progressivo. No entanto, o treino em pequenos grupos pode também assumir uma estrutura que se pareça com as aulas de fitness em grupo, nas quais os membros assistem a um número ilimitado ou a um número mensal de sessões de treino para grupos pequenos oferecidas de forma permanente.

A oferta, tanto de um modelo de visita de forma contínua como de um modelo progressivo, proporciona flexibilidade aos membros que participam num programa progressivo de treino em pequenos grupos para compensar uma ou duas sessões de treino de visita programada. Além disso, é uma forma fantástica de apresentar gradualmente o treino em pequenos grupos aos utilizadores, os quais poderão, eventualmente, inscrever-se para num programa progressivo deste tipo de treino.

Katrina Cochrane, proprietária/diretora-geral da Sports Training Solutions e treinadora master regional no Australian Institute of Fitness, dá algumas dicas essenciais para desenvolver e estruturar o seu negócio de treino em pequenos grupos.

O melhor trunfo de um clube: o treinador profissional de fitness

Independentemente da direção que um clube escolha para criar um programa de treino em pequenos grupos, é importante relembrar que o sucesso pode depender, em última instância, do profissionalismo e da competência do treinador. Há uma crescente importância na indústria do fitness no sentido de empregar funcionários educados e com formação profissional. Estes profissionais de fitness são uma ligação fundamental para proporcionar aos membros uma experiência de qualidade e desempenham um papel essencial na retenção de membros.

Os treinadores de fitness são a expressão exterior das suas instalações. Nesse sentido, o grau de profissionalismo e o nível de educação para um treinador de fitness que trabalha individualmente com os clientes ou num pequeno grupo são mais exigentes do que os de um instrutor que dá aulas de exercícios em grupo. Os operadores e os donos de instalações devem avaliar o seu sistema de entrevista, integração e formação para uma melhor contratação e retenção.

Os treinadores de fitness são o epicentro da experiência partilhada. São os naturais «líderes da tribo» e devem possuir capacidades para criar uma comunidade dentro do ambiente do pequeno grupo. Não só o tornam a experiência pessoal para cada indivíduo, como também podem jogar com as motivações e a natureza humana para unir o grupo. Os treinadores de fitness são o melhor trunfo das instalações para potencializar a natureza tribal bem-sucedida dos «ginásios boutique» quanto ao respetivo programa de treino em pequenos grupos.

Dominar a tecnologia portátil de fitness

Os dispositivos portáteis podem ajudar os treinadores de fitness a incorporar facilmente o nível elevado de competência que os seus clientes procuram no seu programa de treino em pequenos grupos. Ao utilizar sensores de frequência cardíaca com participantes do TPG, por exemplo, os treinadores de fitness podem medir em tempo real os estados funcionais dos sistemas mecânico, neurológico, metabólico e psicológico de um indivíduo. Ao recolher e interpretar os dados, um treinador de fitness sabe como fazer recomendações com base na linha de base, nas cargas de stress e nos estados funcionais individuais de cada cliente. A utilização de tecnologia portátil de fitness em grupo eleva a experiência de treino em pequenos grupos. É uma ferramenta que permite ao treinador de fitness oferecer uma experiência educacional de alta qualidade e um grau de personalização ao nível do treino pessoal numa experiência de grupo motivada energeticamente.

Manter o treino em pequenos grupos inovador, relevante e competitivo

Não existe nada no vácuo e o nosso negócio de fitness não deve ser exceção. Consideremos, por exemplo, a natureza complexa dos nossos corpos. O coração, o músculo mais importante no nosso corpo, ajusta-se continuamente a uma rede de informação de sistemas metabólicos. Está constantemente ocupado com a gestão e a adaptação às funções fisiológicas subjacentes: digestão da comida, ajuste da temperatura, stress, medo e, claro, intensidade física.

Os negócios de fitness requerem estas mesmas qualidades de vigilância, interpretação e resposta para se manterem relevantes para os seus associados e competitivos no mercado. É fundamental que as instalações reconheçam os movimentos-chave dentro da indústria, social e demograficamente, de modo a permitir inovações em termos de experiência de estilo de vida de fitness e que tenham em consideração o potencial crescimento e o posicionamento no mercado na reperspetivação do treino em pequenos grupos.